Carta Aberta aos Criadores do Cavalo Lusitano

Fórum da raça

Moderador: Filipe Graciosa

Mensagem
Autor
horses_s
Sela 07 (estribo de prata)
Mensagens: 207
Registado: sexta set 29, 2006 6:17 pm
Localização: Leça da Palmeira - Porto

#16 Mensagem por horses_s » terça abr 08, 2008 9:31 am

Tenho acompanhado os postes aqui colocados e NÃO COMPREENDO.
Mas então não estamos num forum onde é suposto serem debatidos assuntos de interesse mutuo, neste caso, cavalos??!!

É lamentavel o que por aqui se lê. Mas agora já não se pode ser anónimo???!!! Certamente há por aqui quem assine com um nome e na realidade de chame outro...mas que interessa isso???!!!

Será que este ou esta CV está a desagradar na forma e com o conteúdo que escreve e estão a tentar por todos os meios "despedir" a pessoa em causa???!!!

Há pouco tempo já aconteceu por aqui algo assim, e pelo caminho que isto está a tomar, preve-se algo semelhante.

Gostaria de voltar a ver este forum animado e com troca de opiniões e informações PROVEITOSAS. Deixem os insultos para a Assembleia da Republica...

Vamos manter uma atitude positiva e conjunta, apesar de partilharmos, por vezes, opiniões diversas...
É a partiha de opiniões que ajuda a o conhecimento e não a IMPOSIÇÃO de opiniões...

Saudações Equestres
Tudo é possível até se provar que é impossível e mesmo o impossível pode ser só por agora.

DLusitano
Mensagens: 3
Registado: segunda abr 07, 2008 10:43 pm

#17 Mensagem por DLusitano » terça abr 08, 2008 2:10 pm

Caro CV

Tenho lido com muita atenção e respeito os seus comentários, os quais devo saudar pelo objectivo comum que nos une, no sentido de projectar cada vez mais o cavalo lusitano internacionalmente.
Devo, apesar de tudo, referir que a proposta que apresenta, constitui em minha opinião um grave erro na promoção da raça. O cavalo lusitano beneficiou, desde sempre, da sua nobreza de movimentos e modelo, que o tornaram procurado no mundo inteiro. Assim a procura por esta raça resulta precisamente da distinção que existe em relação às restantes, e no meu entendimento, este património genético deverá manter-se intocado.
A criação do lusitano de desporto teria benefícios imediatos no objectivo de melhorar o lusitano como cavalo de desporto, mas a médio e longo prazo teríamos um lusitano que em nada se iria distinguir das outras raças, afectando não apenas os lusitanos de desporto mas todos os produtos da raça. Esta proposta surge no momento em que cada vez mais se vêem lusitanos a competirem ao mais alto nível em provas de dressage, pelo que em minha opinião deveremos continuar a criar da mesma forma que até aqui tem sido feita, com rigor e paciência. Os resultados vão aparecer!

CV
Sela 01
Mensagens: 45
Registado: quinta mar 06, 2008 8:48 pm

Resposta

#18 Mensagem por CV » terça abr 08, 2008 3:28 pm

Caro DLusitano,

Acho fundamental esclarecer que ninguém está a falar na abertura de um Livro que está fechado (em 1967 fundou-se o Livro Genealógico Português de Equinos - Stud Book). Caso do Livro do Puro Sangue Lusitano. Isto é ponto assente. Que fique bem claro, que é uma Raça fechada e que, casos de tentativa de introdução de animais estranhos à Raça, entram, de acordo com o nosso sistema jurídico, na figura de crime por Fraude.

Quanto ao aparecimento de outros Livros é uma realidade que faz parte das normas que nos regem.

Penso que se está, através deste tema, a desviar a atenção de problemas bem mais sérios para a Raça.

Neste momento a Raça está a viver problemas de acreditação que são reflexo de um sistema gerador de arbitrariedades. Como forma de combater este problema há que trabalhar para a certificação da Raça. Para isto há que:

1.Objectivar critérios de avaliação (só o que é objectivo pode ser passível de recurso – é complicado recorrer de julgamentos qualitativos);

2.Melhorar o desempenho administrativo da secretaria da APSL (mais celeridade e simpatia na resposta às solicitações dos sócios);

3.Promover mais transparência no funcionamento da APSL (não podem existir climas de suspeição);

4.Fomentar cursos credíveis para julgamentos de cavalo de sela, abandonar as práticas de aceitação de formandos por convite;

5.Instituir a avaliação contínua do desempenho dos juízes (como no sistema jurídico português);

6.Aumentar o número de juízes (retira preponderância de notas – garantia de homogeneidade);

7.Adaptar o padrão da Raça à forma de julgar (neste momento os julgamentos não estão a decorrer de acordo com o padrão da Raça – há uma hipocrisia, que eu já referi no meu artigo referente ao padrão da Raça);

8.Alterar a grelha de julgamentos (a este propósito será muito interessante consultar o trabalho desenvolvido pelo Dr. José Monteiro) para um número mais alargado de parâmetros de avaliação (actualmente existem oito).


Há algo de muito acertado e que vai ao encontro das ofensas a que tenho estado sujeito neste fórum. As mudanças geram resistências.
Deveria de haver o cuidado por parte do gestor deste fórum em não deixar que um debate de ideias termine em artigos de insulto.

Os meus cumprimentos a todos,
CV

michael_holandés
Sela 07 (estribo de prata)
Mensagens: 132
Registado: quinta fev 12, 2004 3:43 pm
Localização: texas, USA

#19 Mensagem por michael_holandés » terça abr 08, 2008 4:54 pm

Outra ponto importante e de nao deixar os melhores garanhoes sair do pais como ja tem acontecido. Para comecar o mercado Americano ja esta a comprar mais Lusitanos vindo do Brasil do que de Portugal. Isso ja era previsto quando venderam tudo e mais alguma coisa nos anos 90 para Brasil o que gerou muito dinheiro no curto prazo mas neste momento o Brasil e uma forca imponante na criacao do Lusitano e esta a crescer cada vez mais.

DLusitano
Mensagens: 3
Registado: segunda abr 07, 2008 10:43 pm

Re: Resposta

#20 Mensagem por DLusitano » terça abr 08, 2008 9:38 pm

CV Escreveu:Caro DLusitano,
Neste momento a Raça está a viver problemas de acreditação que são reflexo de um sistema gerador de arbitrariedades.
Apesar de ter muita razão naquilo que diz, nomeadamente em relação ao sistema de pontuação dos produtos, o maior obstáculo à acreditação do cavalo lusitano é este constante clima de suspeição que foi criado por um conjunto de oportunistas, e que não perdem tempo em cair em cima da direcção da APSL ao mínimo pretexto.

A evolução é necessária, mas num clima de discussão sereno que não tem acontecido até ao momento.

vitor_morgado
Sela 07 (estribo de prata)
Mensagens: 167
Registado: terça out 31, 2006 1:00 am
Localização: Coimbra

Em Portugal há resistencia mas nos EUA não há!

#21 Mensagem por vitor_morgado » quinta abr 10, 2008 2:52 pm

Meus amigos criadores do PSL, é com muito respeito que me dirigo a vós como os principais responsáveis em manter o nosso PSL ainda vivo no panorama nacional. Mas reparem:
O que estão a pensar em fazer em Portugal, país mãe do PSL, no tanto falado Lusitano de desporto, nos estados unidos já se faz isso, havendo uma associação e tudo.(com representação de coudelarias portuguesas)

http://iberianwarmblood.com/conformation.html

O que vos peço é o seguinte a vossa abertura tem existir sob pena de serem diminuidos (e até despresados) no panorama internacional.
O que gostava de ver dentro do PSL era uma permuta genética intensa entre coudelarias, essencialmente no que diz respeito à funcionalidade (assegurando as boas caracteristicas morfológicas obviamente).
Todos trabalharem num sentido comum e não haver divisões!

O nosso PSL tem muito potencial mas não é um biblô perfeito, que só se possa passear com ele!

Eu não quero ofender ninguém, quero é o nosso PSL no céu, porque ao filho do vento nem o céu é o limite!
O PSL no TOP não era necessário o Lusitano de desporto, pensem nisso!
Abraço do vitor morgado
http://www.transumancia.blogspot.com

“Um cavalo sem cavaleiro continua cavalo, Um cavaleiro sem cavalo é apenas uma pessoa.”

CH
Sela 01
Mensagens: 41
Registado: terça jun 29, 2004 12:40 am

#22 Mensagem por CH » sábado abr 12, 2008 1:05 am

O senhor "C"orno de "V"aca que parece estar embolado porque nao fura, simplesmente acha que distruir é portanto aquela coisa mais certa a fazer relativamente ao cavalo Lusitano pois não tem ou nunca teve a capacidade de criar um bom cavalo, assim promove uma rápida diluição da raça.. Mas contudo decide deixar o repto que é injustiçado, e os selvagens são as pessoas que salvaguardam a raça lusitana, usando para isso a agressão, mas proferir certas palavras é mais insultuouso de qulquer coisa que eu escreva .. Enfim.. O burro(ou corno) sou eu?... mas na sou vaca nem tenho cornos..

Moral da História
Assim penso que o ideal seria a produção de Jumardos (animal com grande historia em portugal mal considerado por muitos), visto que seria um dois em um.. a utilizaçao das vacas donas dos cornos.. em vez de eguas lusitanas (talho).. e deitava ás vacas o cavalo.. Perdia a raça unica^(PSL) reganhava o Jumardo uma raridade dos tempos que correm
Apenas ideias..

Os meus cumprimentos a todos os seres humanos... vá.. seres vivos..

Santana
Iniciado
Mensagens: 12
Registado: domingo fev 17, 2008 3:49 pm
Localização: Lisboa

#23 Mensagem por Santana » sábado abr 12, 2008 8:54 pm

Meus amigos... mas que idade é que vocês têm???
Tentem lá argumentar com ideias válidas, e não fazendo deste fórum uma peixeirada!

Sem mais nada

Santana

Nuno Vicente
Mensagens: 1
Registado: domingo abr 13, 2008 8:58 pm
Localização: São Paulo, Brasil

PSL no Brasil e no mundo

#24 Mensagem por Nuno Vicente » domingo abr 27, 2008 5:08 pm

Moro no Brasil, sou português e formado como Professor de Equitação pela Escola Militar de Mafra no ano de 1987/88. Autor do livro "Apontamentos Eqüestres", lançado em 2004 na Exposição Internacional do Lusitano em São Paulo em 2003 e tenho uma empresa de comercio internacional de cavalos Puro Sangue Lusitano, além de jornalista filiado a Aliança Internacional de Jornalistas Eqüestres. Sou diretamente responsável pela exportação de mais de 250 animais da raça PSL do Brasil para os EUA, México e outros países entre eles, cavalos famosos, como Parágrafo do Top, Nostradamus do Top (este para Portugal), Solar HM, Quieto (MAC), Quatrilho HM, entre muitos outros que não cabe aqui definir. O que quero expressar aos senhores é que o debate é sempre salutar se mantivermos a compostura. Vejo que muitas respostas a uma carta séria de um criador de respeito, de nível mundial, deve ser abordada com cautela e ponderação.

Desde minha infância em Moçambique onde tive contato com o cavalo PSL na famosa praça de touros de Lourenço Marques. Desde lá que minha paixão é forte e hoje, assim como o Fado, o vinho do Porto, a comida tradicional portuguesa, o cavalo Puro Sangue Lusitano, são os laços que tenho com meu “ser” português. Este mesmo sentimento encontrei em pessoas também portuguesas nas geleiras do Canadá, nos desertos da Califórnia US, em Sydney AUS, na Patagônia (ARG) e em Angola recentemente (O Brasil exportou mais de 200 cavalos PSL para Angola, recentemente).

Para nós portugueses do século XXI, que buscamos na RTP Internacional identificação, O CAVALO PURO SANGUE LUSITANO REPRESENTA NADA MAIS QUE OS MARCOS COLOCADOS MUNDO A FORA PELOS NAVEGANTES PORTUGUESES NO PASSADO. Falar isso para os senhores, que têm a praça de touros Campo Pequeno a poucos km. de vossa casa, pouco significa, mas para quem tem um oceano pela frente, é diferente.
Por isso, o meu "grito de clamor", nesta hora de definitivas mudanças, mudanças estas que colocam em risco a integridade do MELHOR CAVALO DE SELA DO MUNDO, sem duvida, falo com causa, já criei Warmblood, PSI, os montei na Alemanha, na África do Sul e na Nova Zelândia, não podemos baixar a guarda e devemos preservar as características deste cavalo ímpar, seja ele Alter, Andrade, Veiga, Quina, Branco Nuncio, CN, o que for, teremos de selecionar o melhor e multiplicá-lo rapidamente para consolidar a raça e o tipo com um padrão "globalizado", mas principalmente, com a identificação de um povo e de uma história, qual tenho orgulho de pertencer, O PORTUGUÊS. O cavalo Lusitano é um patrimônio do povo português, indiscutivelmente, mas ele hoje existe em todos os cantos do mundo e teremos de aceitar esta posição de destaque.

Os senhores da Peninsula Ibérica, alguns ainda não notaram que o mundo é uma aldeia e que existem dois tipos de cavalos, os bons e os ruins, como existem dois tipos de raças, as globalizadas e as regionais.
O cavalo Lusitano hoje é uma raça "globalizada" graças muito ao trabalho pioneiro executado pelo nosso grupo no Brasil (quem é do ramo saberá quem somos) e o mercado deste cavalo, pelo menos na nossa visão é infinito, desde que seja padronizado e de qualidade, porque ele abrange senhoras e senhores com mais de 40 anos e jovens cavaleiros, assim como os mais experientes, devido a sua "montabilidade". Ele é fácil, é doce, é feminino, é bonito, é confortável, ele faz tudo (salta, Adestramento, passeia, rodeios, apartação, CCE e por final até puxa carroças e muito bem!), mas acima de tudo é um cavalo confiável, melhor herança que nos dá, sua mente e veias.

Como já dizia o Eng. Sommer de Andrade, temos de criar um TIPO. Dr. Monteiro menos, mas batia nesta tecla também.

Como todos sabem o nome Puro Sangue Lusitano foi criado na cidade de São Paulo, exatamente de madrugada num Hotel de luxo, aonde estavam presentes o Sr. Vasco Freire, o Sr. Alfredo Batista, o Arq. Arsénio Cordeiro, logo depois que os espanhóis criaram o PRE.

Não podemos deixar o barco navegar mais sem leme, atitudes enérgicas, mas democráticas, terão de ser discutidas e rumos precisam ser objetivados, a exemplo de outras raças seletas.

Com bastante humildade, atrevo-me a propor algo diferenciado, um caminho claro, objetivo, com um principio e um fim, uma discussão “universal” de todos os criadores e pessoas que deste cavalo tiram o seu sustento, sem nenhuma forma ditatorial ou de imposição de idéias retrógadas, mas sim visualizando ampliar o patamar de representatividade deste ser único entre todas as espécies animais, o Cavalo Lusitano, o 1º CONGRESSO INTERNACIONAL DO CAVALO PURO SANGUE LUSITANO.

Para isso, TEMOS DE CRIAR UMA COMISSÃO ENVOLVENDO "PENSADORES" para qualificar todos os importantes animais que representam atualmente a raça no mundo. Entre estes, dois norte americanos, dois mexicanos, três brasileiros, quatro portugueses, dois franceses e um de cada Associação estrangeira representada na APSL e buscar a qualificação de éguas e garanhões (certamente que não falo apenas de Juízes em minha relação, hoje com uma reputação não muito em alta entre todos, me desculpe alguns). Estas éguas, selecionadas pelo grupo de "pensadores" o qual não posso deixar de incluir o Sr. Braga (não concordo com o que fez, mas é um os melhores, o "pensador" do MITO que não foi MICO, completaram a "ponte" comercial com os EUA alguns meses atrás e deixaram todos os brasileiros olhando para o céu), terão de ter acesso à transferência de embrião e os garanhões terão de ter um programa intenso de venda de coberturas no mundo. Um banco universal de distribuição de Sêmen destes garanhões, certamente subvencionado pelo governo português ou por empresa privada, por tratar-se da marca LUSITANO, patrimônio nacional português (por favor pensem grande!). Nesta ação, primeira classificatória, que significa pesquisa de produtos por égua, o que as mesmas fizeram e produziram (égua boa é aquela que coloca no são qualidade), para onde foram, filmá-los, fotografá-los, para que possam ser apreciados, pelo grupo, cada um em seu país, em sua casa. Mais uma vez peço vossa atenção, refiro-me a visitar todos os criadores de cavalos do mundo, ampliando-se o excelente livro “LUSITANO O cavalo ancestral do Sudeste da Europa”, para uma edição mundial, incluindo todas as Associações da raça existentes ditas “estrangeiras”. A pesquisa é tudo nesta fase, para buscar-se a informação correta.

Por voto destes "pensadores" serão escolhidos os cavalos e definidas as diretrizes dos próximos anos, no I CONGRESSO INTERNACIONAL DO CAVALO LUSITANO, em algum ponto do Globo (de preferência em São Paulo), aonde pudesse ser acompanhado por todos, num canal de TV via WEB.(o que é muito possível nos dia de hoje), para minimizar as "malandragens".

No Brasil, ao contrário que muitos pensam, as coisas estão ruins, tanto politicamente como em termos de criação, a influencia comercial da exportação, a falta de conhecimento, cultura e pouco conhecimento técnico, fazem absurdos! O que salva são poucos, muito poucos e estes não fazem parte nem mesmo de exposições da raça, pois não acreditam mais no sistema de juízes importados de Portugal e os "made in Brasil" são "comprados" pelas marcas, porque prestam serviços para as mesmas. Entre nós é máfia, cartel, etc. Chegando ao máximo de pessoalmente ter a sorte de registrar na última Exposição de São Paulo, um famoso senhor, o qual acompanha há anos os juízes, dando coordenadas aos mesmos sobre cavalos, em julgamento e na pista. (Isso está registrado em filme e poderá facilmente ir parar no Youtube).
Já no México, a coisa é diferente, é na base da arma de fogo, os Juízes que o digam...então lá não se brinca, dá-se as “cartas conforme a musica” para quem tem de receber e está tudo certo, porque já presenciei também ameaças de morte em picadeiros de Exposições.

Então amigos a coisa é séria e terá de ser tratada com seriedade, ou perderemos o nosso patrimônio histórico, como bem fala o Criador Pidwel.
Certamente não poderemos fugir do "mulato", pelo menos no Brasil, aonde já existe uma raça de nome ANDALUZ BRASILEIRO, que tentamos desesperadamente passar para LUSITANO DE ESPORTE, porque desde 2005, não existe nenhum registro de nascimento PRE em solo brasileiro. As raças regionais precisam desesperadamente do sangue Lusitano, para sua melhora genética. Faz poucos dias fui num criador de mangalarga marchador, um cavalo francamente paraplégico com "tração dianteira", que arrasta-se no chão, o que permite o cavaleiro beber "cachaça" sem derramar, porque simplesmente não tem tempo de suspensão, nem no trote e muito menos ao galope. O estrago que o NAVARO SJR , esse mesmo, o campeão do mundo de equitação, fez nas éguas do homem foi de assustar. Todos os animais fruto desse cruzamento são 100% melhores, que a média criada até então. Certamente que isso, não é de assustar ninguém, são "mulatos" e sempre serão, valeram o que fazem e ponto. O mesmo digo para os criadores que usam éguas lusitanas, as boas, com os world class dressage Stallions Sandro Hit ou Don Schufros, serão excelentes cavalos, mas serão “cruzados” ou “mestiços”, rasga-se o papel e fica o cavalo, vale o que faz. Isso é democracia, cada um faz o que quer, só que o mercado será impiedoso com os erros, o que não se pode é abrir mão da marca LUSITANO.

Para isso em todas as raças existem os cruzados, que não deixarão de ser cruzados, mestiços, Lusitano Sport, só engrandecem o cavalo Lusitano, como engrandeceu o Árabe quando nasceu o PSI, que 6 séculos depois ainda lemos a noticia, ou o Anglo Árabe, nem por isso o Árabe tem menos valor, pelo contrário.

Sem hipocrisias baratas, o PSL é uma raça nova e será se nada for feito para padronizar a raça, mostrando para todos os objetivos a serem perseguidos e criar-se alternativas para a "turma" do Dressage. Nunca no Brasil, numa exposição, algum juiz explicou para o publico verbalmente o porque de ser este ou aquele cavalo melhor numa Exposição Internacional, por isso por aqui quem grita mais e melhor é rei. Vamos parar com a mentira, o nosso cavalo não merece, ele corre nas nossas veias, na vossa ai na Península, como em todos os portugueses por este mundo a fora.

Avatar do Utilizador
Wasserluft
Monitor de Equitação
Mensagens: 253
Registado: sábado jun 03, 2006 3:48 am
Localização: Corroios - Coudelaria José Nunes Robalo - Quinta da Matinha

#25 Mensagem por Wasserluft » segunda abr 28, 2008 1:14 pm

Depois deste Post do Sr Nuno Vicente ......
"The Horse´s reward to be able to communicate with the predator and cause him not to be predatory" Monty Roberts
"Pedir constantemente ,contentar-se com pouco,Recompensar muito. " Beaudant

Responder

Voltar para “Puro Sangue Lusitano”