Ajuda!!!

Fórum da modalidade

Moderadores: Filipe Graciosa, APD

Mensagem
Autor
Rogers
Monitor de Equitação
Mensagens: 441
Registado: sexta jun 23, 2006 5:28 am
Localização: Inglaterra
Contacto:

Ajuda!!!

#1 Mensagem por Rogers » quarta ago 16, 2006 3:38 am

Estou a ter dificuldade em baixar a garupa e levantar o garrote a um cavalo meu, ele tem cinco anos e está fisicamente pronto para isso, que exercicios é que aconcelham? É um lusitano.


Obrigado, Jokas
Nunca desistir, por muito dificil que seja que um dia...havemos de vencer!

Avatar do Utilizador
cervantes
Monitor de Equitação
Mensagens: 465
Registado: segunda dez 12, 2005 8:19 pm
Localização: Londres / Porto
Contacto:

Baixar a garupa, levantar "as frentes"!

#2 Mensagem por cervantes » quarta ago 16, 2006 5:37 am

Resposta TRECeira:

EXTERIOR e muitas GANDA'S DESCIDAS e GANDA'S SUBIDAS! Sempre a "empurrar" para a mão!

A passagem de "estádio" do "ramener" para o "Rassembler", pode ser trabalhada também desta forma e no exterior (pelo menos ajuda bastante).

No picadeiro... outros poderão ajudá-la mais!

De qualquer forma... aqui vai um artigo que pode dar uma ajuda (em Francês):

Ramener - Mise en main - Rassembler

En ce qui concerne la position d'un cheval "placé", l'on entend souvent dire (à tort): "Mon cheval est enrêné", "mon cheval est à la rêne". Le mot qui convient pour qualifier un chanfrein qui avoisine la verticale est en effet "le ramener". Le général Decarpentry, dans sa brillante œuvre littéraire "Equitation académique", le définit ainsi: "Le ramener, c'est la fermeture de l'angle de la tête avec l'encolure. La nuque restant le point le plus élevé. Le ramener est dit complet quand le chanfrein atteint la verticale. Quand il l'a dépassé derrière elle, le cheval n'est plus ramené, mais encapuchonné."

Avec un jeune cheval, il va de soi qu'avant d'exiger que la nuque s'élève et qu'elle demeure le point le plus haut, l'on passera par des étapes progressives, pendant lesquelles l'on se souciera davantage de la décontraction du dos (descente d'encolure) que du placé élégant du cheval dans le ramener.

Le ramener tel qu'on le conçoit ici devrait être un but pour le cavalier, but que l'on obtient progressivement par des exercices de gymnastique (notamment ceux dont il est question dans cette série d'articles). En aucun cas l'on ne doit être "obsédé" par cette position que doit prendre le cheval. Cela entraînerait des tractions continuelles sur les rênes, l'application systématique d'enrênements ou, pire, des chevaux que l'on enrêne des heures durant dans leur box. Tout ceci ne provoque qu'un ramener forcé, blessant l'animal dans son moral, ramener dont le cheval aura tôt fait, à la moindre occasion, de se défaire.

Lors du ramener, parallèlement à "la cession de nuque", il est important d'exiger également "la cession de mâchoire". La mise en main, "c'est la décontraction de la mâchoire dans la position du ramener". Un cheval dans l'impulsion, qui se livre franchement aux exercices souhaités par son cavalier, celui dont la décontraction est totale, le signale souvent par une cession de mâchoire. Cette décontraction de la bouche ressemble alors à la légère mastication, telle que le cheval le fait lorsqu'il reçoit un sucre. A l'opposé d'un cheval contraint, qui ouvrirait exagérément la bouche pour fuir l'action du mors, ou de celui qui, énervé, claque ou grince des dents.

François Baucher avait mis au point dans sa méthode d'équitation une série de flexions à l'arrêt ayant pour but d'obtenir cette mise en main. C'est là un travail délicat, dans lequel bon nombre de cavaliers (sans doute moins habiles que le maître ou n'ayant comme guide que ses écrits) se sont aventurés, ne récoltant que des déboires et accusant trop souvent la méthode elle-même. Etant donné le travail assez complexe que cela représente, nous ne l'exposerons point ici.

Durant le travail de "la mise en main", l'on devra exiger du cheval qu'au moindre appui de sa part sur le mors il mobilise sa mâchoire, tout en cédant dans sa nuque. Pour aboutir à ce résultat, l'on a recours à plusieurs procédés. Celui qui reste le plus plausible et le plus accessible à tous est le travail de "deux pistes" appelé aussi "pas de côté". L'apprentissage de l'épaule en dedans et de l'appuyé dans toutes leurs formes, effectué dans l'impulsion aux trois allures, en plus de la souplesse, de la maniabilité qu'elle procure chez le cheval, agit également sur la décontraction de la mâchoire (mise en main). A la condition évidente que l'on encourage l'animal quand cela se produit. Car il est vrai qu'il se trouve des sujets que l'on peut qualifier de "timides" dont la mise en main est très brève.

Avec ces chevaux-là, l'on redoublera de tact, afin de ne pas les offenser en prolongeant inutilement l'exercice entamé lorsque la cession de mâchoire se fait sentir.

Les différences existantes entre l'équitation germanique et l'équitation de tradition française réside principalement dans cette décontraction de la mâchoire. En effet, les écuyers français exigeaient de leur monture qu'elle réponde franchement aux actions impulsives de l'assiette et de la jambe tout en cédant dans la mâchoire chaque fois que la main le leur demandait, Tandis que l'équitation allemande, par ces mêmes actions impulsives, amène le cheval à un appui franc sur la main.

Le rassembler, c'est un équilibre dans lequel se met le cheval afin de répartir également son poids entre l'avant-main et l'arrière-main, En observant les gravures des maîtres de Versailles, l'on peut se rendre compte que le rassembler exigé alors chargeait fortement l'arrière-main des chevaux. A l'évidence, les montures employées à cette époque étaient toutes de provenance ibérique. Les chevaux employés actuellement en dressage ne supporteraient pas un tel rassembler.

Le rassembler sera satisfaisant lorsque aux trois allures, lors des transitions, des pas de côté, des allongés, le cavalier aura ce sentiment d'impulsion et de grande légèreté. Le cheval "semble se porter" alors de lui-même; les grandes articulations (grasset, jarret, paturon) se ploient sous la masse, la nuque s'élève, le dos s'arrondit...

Pour obtenir un rassembler, certains cavaliers s'occupent essentiellement d'élever très haut l'encolure et se contentent souvent de cette position gracieuse, sans trop se soucier du fonctionnement du dos et de l'arrière-main. L'important pour arriver un jour à ce que l'animal reporte son poids vers l'arrière-main (ceci afin d'équilibrer équitablement sa masse), c'est avant tout de préparer les postérieurs à recevoir ce surplus de poids. C'est donc en travaillant de concert le relèvement de l'encolure avec le ploiement des postérieurs sous la masse par des exercices de gymnastique tels que transitions, travail de deux pistes, reculer, etc., que le rassembler sera total et efficace.

Dès le premier jour du dressage d'un cheval, qu'il soit destiné à l'obstacle ou au dressage classique, l'on doit tendre vers cet objectif qu'est le rassembler avec les diverses étapes qu'il comporte, en ayant l'esprit de tolérance nécessaire face à cet être vulnérable qu'est le cheval.


Espero ter ajudado!

Cts TRECeiros,

Virgílio Cervantes

Avatar do Utilizador
cervantes
Monitor de Equitação
Mensagens: 465
Registado: segunda dez 12, 2005 8:19 pm
Localização: Londres / Porto
Contacto:

#3 Mensagem por cervantes » quarta ago 16, 2006 6:04 am

"Le ramener est dit complet quand le chanfrein atteint la verticale. Quand il l'a dépassé derrière elle, le cheval n'est plus ramené, mais encapuchonné."

Rogers,

Esta afirmação, apesar de compreender o seu sentido (em forma abstracta) não concordo a 100% com ela (na prática)!

De qualquer forma, este artigo "importado" e com assinatura de um "Mâitre" que admiro, é o que ele é! Um artigo que versa sob um assunto actual e que acima de tudo, a pode ajudar na descoberta do "eficaz trabalho" para o seu Lusitano.

No entanto, seu contéudo deve ser bem compreendido e "bem assimilado". E atenção, até das afirmações de Mestres de renome mundial, podemos discordar!

Cumpria-se esta "axega" ao encapotado!

Cts TRECeiros,

Virgílio Cervantes

Rogers
Monitor de Equitação
Mensagens: 441
Registado: sexta jun 23, 2006 5:28 am
Localização: Inglaterra
Contacto:

#4 Mensagem por Rogers » quarta ago 16, 2006 6:18 am

Ler!!! Tenho muitos livros que leio, o sobe e desce já o faço muito, mas o que eu preciso é exercicios expecificos de picadeiro para complementar o resto.
Sou inglesa e não sei ler muito francês, só para traduzir esse texto ia demorar uma hora e provavelmente não ia tirar o melhor proveito, talvez o faça um dia que tenha mais calma. embora a frase que transcreves prcebi! E tens razão é muito descutivel na prática embora seja verdade, mas é muito incompleta.

Obrigada, Jokas
Nunca desistir, por muito dificil que seja que um dia...havemos de vencer!

Avatar do Utilizador
cervantes
Monitor de Equitação
Mensagens: 465
Registado: segunda dez 12, 2005 8:19 pm
Localização: Londres / Porto
Contacto:

#5 Mensagem por cervantes » quarta ago 16, 2006 7:05 am

É Rogers...

Um dos problemas dos Ingleses (mas desde sempre, assim o foi) é não "falarem lá muito bem o Francês"!

É PENA!

Se te deres ao "trabalho" de ler (ou mandar ler) este artigo, talvez até encontres a resposta ao TEU PROBLEMA.

Se fosse cá comigo, este artigo até podia estar em Chinês, afinal, surgiu no sentido de ajudar! Algum "sumo" deve ter!...

O que me parece é que este "PEDIDO DE AJUDA" não é verdadeiro, é mais para a conversa....

... Digo EU!


Cts TRECeiros,

Virgílio Cervantes

Avatar do Utilizador
João dee Deus
Mestre de Equitação
Mensagens: 2845
Registado: quarta fev 16, 2005 12:49 am
Localização: Covilhã./.AÇORES

.

#6 Mensagem por João dee Deus » quarta ago 16, 2006 7:09 am

.





:lol: :lol: :lol: :lol: :lol: :lol: :lol: :lol: :lol: :lol:





.
Continuo neste Fórum, agora com a intenção de ver se aprendo alguma coisa, mas com o teclado avariado... LOL...

luis pedro
Mestre de Equitação
Mensagens: 1146
Registado: domingo mar 19, 2006 8:16 am

#7 Mensagem por luis pedro » quarta ago 16, 2006 7:22 am

Olá Rogers,
O trabalho em terreno variado, a passo e trote por caminhos e estradas (bermas) aproveitando para, numa primeira fase, manter igual o andamento, e numa fase mais avançada, explorar aumentando nas subidas e encurtando nas descidas (isto deve ser feito regulando a velocidade "empurrando" com as pernas ou retendo com as mãos atravéz de acções descontínuas para que o cavalo seja obrigado a encontrar o seu equílibrio sem se "pendurar" na mão do cavaleiro). É também útil o trabalho lento de exterior (musculação), essêncialmente a passo, procurando descidas íngremes (descer lentamente e manter o cavalo direito em especial quando há o risco de escorregar) e subidas com mediana inclinação (o máximo que o cavalo for capaz de fazer sem decompor o passo, é útil deixar estender o pescoço).

No picadeiro não há truques, trata-se de trabalhar o nosso cavalo com base nos circulos e mudanças de direcção procurando manter uma encurvação correcta (a posição precede sempre a acção) e mantendo o movimento igual (atenção ás discretas quebras de movimento/impulsão sempre que se muda de direcção) o contacto deve ser elástico, suave e permanente, o cavalo não deve "pesar" na rédea de dentro ou na de fora nas mudanças de encurvação que precedem os circulos ou arcos de circulo incluindo os cantos. A esta primeira fase começa-se a introduzir transições, dentro do mesmo andamento e de um andamento a outro, de preferencia com o cavalo inscrito sobre um arco de circulo, são bastante importantes as transições descendentes em cavalos com a "garupa no ar".
Todo o trabalho atrás descrito visa flexibilizar/ginasticar o cavalo lateralmente, unico método correcto de chegar á flexibilidade longitudinal, para isso vamos seguir o mesmo trabalho mas começamos a abordar os trabalhos laterais (há quem comece pela cedência á perna e quem prefira a espádua a dentro).
Todo o trabalho que tentei explicar em traços gerais não referi a atitude, já tinha sido suficientemente abordada no "post" do Cervantes, mas é obvio que o cavalo se deve manter sobre a mão de forma estável e permanente.
Procurar a prefeição das coisas mais simples (é mesmo para levar a sério) se um cavalo não consegue fazer um circulo de 10 ou 15 metros correctamente (o cavaleiro dá a posição e enquanto esta se manter o cavalo mantem-se no circulo) de certeza que a espádua a dentro é aldrabada.

Luis Pedro

Avatar do Utilizador
João dee Deus
Mestre de Equitação
Mensagens: 2845
Registado: quarta fev 16, 2005 12:49 am
Localização: Covilhã./.AÇORES

Flexibilidade

#8 Mensagem por João dee Deus » quarta ago 16, 2006 7:34 am

Mas antes de isso tudo é preciso pôr o Cavalo nos três andamentos à guia de 2 metros de comprimento que com mais um do nosso braço faz um circulo de 5 ou 6 metros de diametro,sempre com o Cavalo na vertical,ou seja como a vertical do centro de gravidade dentro das pistas.

É um exercicio que castiga muito a espadua de dentro por isso deve ser breve.

Depois de montado parece outro Cavalo.

saudações Marialvas
Continuo neste Fórum, agora com a intenção de ver se aprendo alguma coisa, mas com o teclado avariado... LOL...

Rogers
Monitor de Equitação
Mensagens: 441
Registado: sexta jun 23, 2006 5:28 am
Localização: Inglaterra
Contacto:

#9 Mensagem por Rogers » quarta ago 16, 2006 9:26 pm

Obrigado Luís!

É isso que tenho feito com ele, já comecei as transições do passo ao galope e visce-versa, hoje já consegui melhorá-lo! Faço cedencias e espadua a dentro tanto na parede como em circulo, mas sinto que está a faltar um peça, talvez seja só a paciência que falta!!!
Vou exprimentar dar um passo atrás para rever e melhorar as pequenas coisas, talvez haja ali alguma coisa. Talvez o cavalo não está assim tão mal eu é que desabituei-me a ele, por estar a montar outros enquanto ele esteve de férias.

O ensino está a fazer-me bem no sentido de me obrigar a ser mais certinha nas pequenas coisas.(custa tanto):roll: :roll: :roll: :roll:

Jokas
Nunca desistir, por muito dificil que seja que um dia...havemos de vencer!

Avatar do Utilizador
cervantes
Monitor de Equitação
Mensagens: 465
Registado: segunda dez 12, 2005 8:19 pm
Localização: Londres / Porto
Contacto:

LER!!!!

#10 Mensagem por cervantes » quinta ago 17, 2006 7:33 am

Rogers,

Do "desperdicio" que se mostrou o meu "post" anterior, vou apenas concluir, quanto à minha discordância com o Mestre! Afinal este forum é lido para lá das fronteiras!... Quando digo que não, estou habituado e habituei ao "Porquê";

Aqui vai:

Na minha maneira TRECeira de ver as coisas, o cavalo quando baixa (atrás) da vertical a fronte (alguns chamam encapotar), pode fazê-lo por diversas razões, algumas vezes comprometendo a sua "FUNCIONALIDADE" , OUTRAS VEZES NEM POR ISSO!

Por tal, se um cavalo "encosta" um pouco mais ao peito do que é o "permitido", mas se mantém um "absoluto desejo de andar para frente" - avançar, estando submisso às mãos do cavaleiro e acima de tudo, respeitando as suas pernas, ENTÃO... ESTÁ BEM!...
Até PODE ANDAR COM OS QUEIXOS NO PEITO, porque a meu ver, isto NÃO É UM DEFEITO... quanto mais, será um defeito da SUA FORMAÇÃO (do cavalo e do cavaleiro, claro está). Tantos e tão bons cavalos o fazem... e GANDA's CAVALOS! E em cima... GANDA's CAVALEIROS!...


Cts TRECeiros,


Virgílio Cervantes

luis pedro
Mestre de Equitação
Mensagens: 1146
Registado: domingo mar 19, 2006 8:16 am

#11 Mensagem por luis pedro » quinta ago 17, 2006 8:28 am

Olá Rogers,
Como sabes e neste último "post" até o referes, o trabalho do cavalo vai evoluindo, não basta fazer tudo bem feito é também necessário que o
"nosso aluno" vá assimilando os ensinamentos, codificando as ajudas e desenvolvendo a capacidade fisica e psíquica para os poder executar.
No post anterior não referi o trabalho da cedencia a perna e da espádua a dentro no circulo (rotações) deves ter em atenção que as rotações com a cabeça para dentro do circulo (inversas) convidam o cavalo a encostar-se e a baixar a atitude mas levam o cavalo a deslocar mais peso para as espáduas, as rotações com a garupa para dentro (directas) convidam a aligeirar as espáduas e, por conseguinte, a "trazer" peso para cima das pernas - atenção é util a execução de ambas e em especial a transição entre elas.

Luis Pedro

luis pedro
Mestre de Equitação
Mensagens: 1146
Registado: domingo mar 19, 2006 8:16 am

#12 Mensagem por luis pedro » quinta ago 17, 2006 8:59 am

Olá Cervantes,

Acerca do primeiro "post" quero deixar aqui uma chamada de atenção a uma afirmação que faz: "A passagem de "estádio" do "ramener" para o "Rassembler", pode..."
Na minha opinião não existe uma passagem de uma coisa para a outra porque são termos que se referem a coisas distintas, o "ramener" ao fecho do angulo da ganacha e o "rassembler" ao arredondar do "rim" e á entrada dos posteriores para debaixo da massa donde resulta o encurtamento da base de sustentação e consequente melhoria do equilibrio.

Em relação á atitude do cavalo, também sou da opinião que o chanfro atrás da vertical pode não ter inconvenientes e é mais comodo para o cavaleiro, desde que mantenha o contacto com a mão, o que é realmente grave é o cavalo "pôr-se atrás da mão" ou seja furtar-se ao contacto. Esta atitude, com o chanfro atrás da vertical, pode até ser bastante útil durante o trabalho mas deve SEMPRE ser complementada, no final da sessão, com "5 minutos" de trabalho com rédeas ajustadas, a nuca como ponto mais alto e chanfro na vertical ou ligeiramente adiante, isto é necessário para que, quer cavalo quer cavaleiro, saibam como se "trás para cima" e porque na outra atitude não se consegue sobrecarregar correctamente (e por conseguinte, flectir) o post-mão do cavalo.

Luis Pedro

Avatar do Utilizador
cervantes
Monitor de Equitação
Mensagens: 465
Registado: segunda dez 12, 2005 8:19 pm
Localização: Londres / Porto
Contacto:

Estádios de Equitação

#13 Mensagem por cervantes » quinta ago 17, 2006 9:25 am

Amigo Luis,

Quanto ao primeiro ponto, o meu amigo, discordando, acaba por concordar afirmando que estamos a falar de coisas distintas. E são!
Não se pode exigir a um cavalo de 4 anos um "rassembler", pode-se no entanto trabalhar a sua "atitude" ginasticamete (logitudinalmete e lateralmente - através dos exercicios que o meu amigo e BEM exemplificou, de adução e adbução, bem como das descidas periódicas de pescoço, paragens e "meias-paragens", figuras de picadeiro...) isto, para a sua "chegada" ao Rassembler".

Por tal, este Estádios EXISTEM e estão (nomeadamente) condicionados pela IDADE. Pela capacidade de CONCENTRAÇÃO DO PRÓPRIO CAVALO! (para não falarmos das condicionantes Bio-mecânicas).

Quanto ao seu 2º paragrafo, concordo, embora entenda que o grande problema é a manutenção do cavalo "para diante". Conseguir que "Aquele" seja o cavalo que respeita a mão do cavaleiro, escuta a sua perna (acção impulsiva) e mantém um verdadeiro desejo de "andar para diante".

... digo eu, TRECeiro


Virgílio Cervantes

luis pedro
Mestre de Equitação
Mensagens: 1146
Registado: domingo mar 19, 2006 8:16 am

#14 Mensagem por luis pedro » quinta ago 17, 2006 10:04 am

Olá Cervantes,
Estamos de acordo, eu acrescenteria ao "para diante" o "em equilibrio", pois embora seja discutivel se há movimento para diante sem equilibrio, é vulgar verem-se cavalos "p'ra frente" o que não inclui equilibrio (eu sei que parece jogo de palavras mas a equitação, como outras artes, tem a sua terminologia).

Luis Pedro

Avatar do Utilizador
cervantes
Monitor de Equitação
Mensagens: 465
Registado: segunda dez 12, 2005 8:19 pm
Localização: Londres / Porto
Contacto:

#15 Mensagem por cervantes » quinta ago 17, 2006 10:32 am

... e o seu "savoir-faire", amigo Luis!

Sem duvida.

Cts TRECeiros,

Virgilio Cervantes

Responder

Voltar para “Ensino”